Concursos, exposições, edição de livros, uma conferência internacional, e outras iniciativas de âmbito científico e cultural fazem parte do programa comemorativo do Centenário da CUF, no Barreiro apresentado no dia 27 de Fevereiro, em conferência de Imprensa. O anúncio foi feito por João de Mello, Presidente da CUF, por José Neto, Presidente da Quimiparque e pelo Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Carlos Humberto de Carvalho.  

   
Refira-se que para assinalar os cem anos de existência da CUF – Companhia União Fabril, cuja primeira fábrica foi inaugurada no Barreiro, em 19 de Setembro 1908, as referidas entidades estabeleceram o programa das comemorações que irão decorrer ao longo dos anos 2007 e 2008.
José Neto iniciou a sua intervenção frisando a importância da figura de Alfredo da Silva. “Um Homem com uma grande visão para criar riqueza”. O Presidente recordou que em 1907, a CUF (a laborar em Lisboa) comprou terrenos no Barreiro e em 1908 arrancava com a actividade que viria a ser “um caso extraordinário de sucesso”.
José Neto, anunciou que a Quimiparque pretende criar uma Fundação que possa vir a receber documentos, testemunhos, ou seja, o legado industrial e tecnológico que marcou a cidade do Barreiro e o séc. XX português.
João de Mello, Presidente da CUF e bisneto do industrial Alfredo da Silva, disse sentir-se orgulhoso com o início das comemorações deste centenário e lembrou a existência de “um património que não pode ser esquecido, identificativo da importância que a CUF teve para o Barreiro” e recordou que “à medida que a CUF se ia desenvolvendo, o Barreiro ia crescendo”. João de Mello reiterou a importância da criação de uma Fundação para gerir o património histórico-industrial, “para que a história do Barreiro chegue às novas gerações”.
Carlos Humberto de Carvalho agradeceu aos presidentes da CUF e Quimiparque e à comissão organizadora a colaboração que têm dado para esta comemoração. “Para nós que sempre vivemos no Barreiro é inegável que a história da cidade e da CUF se confundem”. O autarca lembrou que o complexo industrial foi o maior da Península Ibérica e que empregava centenas de trabalhadores. O edil recordou, igualmente, os seus tempos de infância “quando os filhos levavam o almoço aos pais, o barulho dos tornos e das buzinas”.
Para o futuro, o Presidente do Município deseja que o território da Quimiparque “continue no século XXI a ser um pólo científico e de emprego”.
Em relação ao programa comemorativo, dos vários momentos previstos, destacam-se a Exposição "Cem Anos de CUF no Barreiro" que será inaugurada a 19 de Setembro de 2008, data em que se comemora o centenário da inauguração da primeira fábrica da CUF, no Barreiro e a realização do Seminário Internacional subordinado ao tema "A Industrialização de Portugal no Início do Século XX".

Carlos Humberto de Carvalho anunciou que vai propor, ao restante executivo da Câmara, que a actividade global do Município, em 2008, contemple acções, da responsabilidade da autarquia, dedicadas às comemorações do centésimo aniversário da CUF. Estas não esqueceriam “o papel colectivo dos trabalhadores na construção da CUF e na construção do Barreiro, cidade operária e industrial”. 

Além destes eventos, o programa das comemorações inclui ainda a realização de um concurso de ideias para a criação do Logótipo do Centenário, um concurso de Fotografia e Vídeo subordinado à temática da Industrialização, a edição de um álbum de Banda Desenhada sobre a "CUF no Barreiro" e de um livro de fotografia industrial com o espólio da CUF.

A organização lançou um desafio à comunidade, ao fazer um apelo à memória dos barreirenses, de antigos colaboradores da CUF, familiares próximos, e todos quantos possuam materiais históricos que possam doar ao Museu Industrial.
Para tal, devem contactar António Camarão, do Património Histórico e Museológico da Câmara Municipal do Barreiro, (telemóvel: 96 857 81 99), ou Sardinha Pereira, responsável pelo Museu Industrial (telefone: 21 206 76 05), ou ainda o Grupo Mello (telefone: 210 300 400).

CMB 2007-03-01


CUF