artbarreiro
artbarreiro.com
    FOTOS    
         
     

Sessão Solene “Barreiro Reconhecido 2006”
28 de Junho
Homenageados

Medalha de Bons Serviços e Dedicação – Bronze (com 10 anos de serviço)
Bombeiros
Bombeiros Voluntários do Barreiro – Corpo de Salvação Pública
- Bombeiro de 1ª Classe, Ana Cristina da Conceição Domingos
- Bombeiro de 2ª Classe, Paulo Sérgio Gomes Nogueira
- Bombeiro de 2ª Classe, Rui Manuel da Conceição

Bombeiros Voluntários – Sul e Sueste
- Bombeiro de 1ª Classe, Ricardo Miguel Iglésias Boleto
- Bombeiro de 2ª Classe, António Manuel Assunção

Medalha de Bons Serviços e Dedicação – Prata (15 anos)
Bombeiros Voluntários do Barreiro – Corpo de Salvação Pública
- Subchefe, Carlos Alberto Freire Fresco Pereira
- Bombeiro de 1ª Classe, Vítor Manuel Esteves Pinto D’Oliveira
- Bombeiro de 2ª Classe, Renato Jorge Dinis Pires
- Auxiliar, Sérgio Madruga Nogueira
- Auxiliar, Maria Teresa Azevedo Mateus Inverno

Bombeiros Voluntários – Sul e Sueste
- Bombeiro de 3ª Classe, Josué Mário Galveias Casquinha

Medalha de Bons Serviços e Dedicação – Ouro (25 anos)
Bombeiros Voluntários – Sul e Sueste
- Bombeiro de 2ª classe, José Alexandre Russiano Nunes

Funcionários CMB
Medalha Bons Serviços e Dedicação - Bronze (com 15 anos de serviço)
- Maria Beatriz Anastácio Ganhão Peres – Chefe de Divisão

Medalha de Bons Serviços e Dedicação – Prata (25 anos)
- Ana Cristina Tavares Machado Ameixa – Chefe de Divisão
- Manuel João Carriço Landum – Condutor de Máquinas Pesadas e Veículos Especiais

 

Medalha de Bons Serviços e Dedicação – Bronze
António Barreto, do Santoantoniense FC

Medalha de Bons Serviços e Dedicação - Ouro (Associativismo)
- Futebol Clube Silveirense (50 anos)
Fundado em 15 de Fevereiro de 1956, o Futebol Clube Silveirense conta com cerca de 400 associados. A sua principal actividade é o Futebol, onde conta com cerca de 30 praticantes. A Pesca Desportiva é outra das modalidades com peso, nesta colectividade cinquentenária mas sempre com os olhos postos no futuro. O seu espaço social funciona como centro de convívio e ponto de encontro e de coesão do bairro onde está situado, no Alto do Seixalinho.
- Sociedade Columbófila de Santo António (50 anos)
Fundada em 28 de Março de 1956, a Sociedade Columbófila de Santo António tem a sua sede social, na freguesia que lhe dá nome. Conta com mais de 40 associados, desenvolvendo “a cultura dos pombos correio” e organizando treinos, concursos, exposições e conferências diversas. Filiada na Federação Portuguesa de Columbofilia e na Associação Distrital da modalidade, tem conquistado, ao longo dos seus 50 anos, diversos prémios a nível regional e nacional.
- Grupo Desportivo do Barreiro “Ciclismo” (50 anos)
O Grupo Desportivo do Barreiro “Ciclismo” foi fundado em 10 de Dezembro de 1956. A sua sede social funciona na Rua Aguiar, bem no coração do Barreiro Antigo. Conta com cerca de 400 associados e desenvolve actualmente diversas modalidades desportivas e recreativas, destacando-se o FUTSAL que disputa na 1ª Divisão Distrital, o Xadrez e o Cicloturismo. O Desportivo do Barreiro está filiado na Associação de Ciclismo do Sul e nas Federações Portuguesas de Ciclismo; de Colectividades de Cultura e Recreio; e de Xadrez.
- Centro Social e Paroquial Padre Abílio Mendes (50 anos)
Fundado em 13 de Março de 1956, O Centro Paroquial Padre Abílio Mendes contemplou, desde o seu começo, a “sopa” e o “albergue” dos pobres, honrando a vontade e o trabalho meritório do Padre Abílio, iniciado em 1934, numa pequena casa da então Rua da Praia. 
A instituição, ao longo dos anos, tem vindo a prestar um importante apoio social à população idosa e mais carenciada, funcionando como Centro de Dia e em regime de “apoio domiciliário”.

Pergaminho de Bons Serviços e Dedicação – Prata (75 Anos)
- Associação de Bombeiros Voluntários do Barreiro do Corpo de Salvação Pública

Pergaminho de Bons Serviços e Dedicação – Ouro (100 anos)
Associação de Comércio e Serviços do Barreiro e Moita

Medalha de Mérito Municipal
Prata - Área da Benemerência
- Liga dos Amigos do Hospital Distrital do Barreiro
Biografia
A Liga dos Amigos do Hospital Distrital do Barreiro foi constituída em 13 de Maio de 1992. Trata-se de uma Instituição Particular de Solidariedade Social com o objectivo de organizar todas as acções conducentes a reforçar o apoio ao doente.
A intervenção da Liga dos Amigos assenta, em especial, no apoio de um corpo de voluntários que presta um auxílio fundamental, através do contacto humano, ajudando doentes incapacitados nas consultas externas e no Hospital de Dia e distribuindo pequenos lanches. Esta iniciativa é hoje considerada uma mais-valia. Duas equipas realizam a distribuição, nos vários serviços do Hospital, desde as consultas externas até aos pisos, de 2ª a 6ª feira, no período da manhã.
No âmbito da sua missão, a Liga aposta também na vertente cultural, através da organização de exposições no Hall do Hospital, e contribui ainda para a melhoria dos meios à disposição dos utentes. No início deste ano, conseguiu a primeira cadeira de rodas, através de um Protocolo de cooperação com a Associação Tampa Amiga, com o objectivo de recolher o maior número de tampas e trocá-las por cadeiras de rodas.
Mas muitas outras iniciativas são dignas de registo: A distribuição de presentes no Natal aos doentes internados; a celebração do Dia Mundial do Doente através de acompanhamento no decorrer de uma Eucaristia ou mesmo a distribuição de 300 próteses mamárias no valor de dois mil euros.
Ao longo dos anos, a Liga dos Amigos do Hospital tem vindo a sobreviver através da quotização dos seus sócios e de alguns apoios de diversas empresas e instituições barreirenses. Quando e onde quer que seja solicitada, a “bata amarela” está sempre presente!!

Pelo apoio inestimável e voluntário que tem vindo a prestar, pelas iniciativas que promove conducentes à melhoria dos cuidados de saúde, bem estar e promoção cultural do doente, pelo humanismo, pela enorme abnegação e dedicação ao próximo, a Câmara Municipal atribui à Liga dos Amigos do Hospital Distrital do Barreiro, a Medalha de Mérito Municipal Prata, na área da Benemerência.

Prata – Área do Desporto
Atletismo
- Ionilde Mendes, do Grupo Recreativo Quinta da Lomba, Campeã Nacional no Olímpico Jovem e 1º Lugar Feminino na Estafeta 4x100m Série B - Campeonato Nacional de Clubes 1ª e 2ª Divisões
- Lacabela Quaresma, do Grupo Recreativo Quinta da Lomba, Campeã Nacional no Olímpico Jovem em Lançamento do Peso Juvenil, 1º Lugar Triplo Salto no Campeonato de Inverno de Pista, 1º Lugar no Olímpico Jovem Nacional, no Peso
- Dulce Cá, do Grupo Recreativo Quinta da Lomba, Campeã Nacional de Sub-23 no Lançamento do Peso, 1º Lugar no Nacional de Sub-23 e 1º Lugar Campeonato Nacional de Sub-23 Lançamentos de Inverno
- Mónica Lopes, do Grupo Recreativo Quinta da Lomba, Campeã Nacional Sub-23 nos 60 metros e 1º Lugar - Campeonato Nacional Sub-23

Basquetebol
- Grupo Desportivo da Escola Secundária de Santo André, Vencedor da Supertaça Sénior Feminina. Integram o grupo de trabalho as jogadoras Ana Cunha, Joana Ribeiro, Marinela Pinheiro, Marisa David, Mónica Duarte, Nádia Palongo, Patrícia Carvalho, Susana Costa, Susana Soares, Tasha Butts, Tiara Malcom, Vera Correia, Verónica Araújo e Zenilda Carvalho
- Galitos Futebol Clube, Vencedor do Campeonato Nacional 1 em Seniores Masculinos. Integram o grupo de trabalho: António Sani, Arménio Silva, Bruno Barbudo, Eduardo Assunção, George Baker, Hugo Pateiro, João Lourenço, Jorge Ramos, Leonel Almeida, Marco Nunes, Marco Mendes, Nelson Vieira, Nuno Garcia e Severo Silva
- Futebol Clube Barreirense, Campeão Nacional de Juniores A Masculinos. Atletas: António Pires, Miguel Graça, João Rodrigues, David Gomes, Fernando Lopes, Nuno Costa, Bruno Firme, Francisco Destino, João Santos, Pedro Pereira, Manuel Sicó, Gonçalo Chucha, João Gomes, Ricardo Gomes, Ângelo Brito, André Borralho, Vivaldo Correia, João Pina, Fábio Pina e André Martins
- Futebol Clube Barreirense, Campeão Nacional de Juniores B Masculinos. Integram o grupo de trabalho os jogadores: José Silva, José Lourenço, Pedro Pinto, João Pereira, Mauro Marques, Nuno Carvalho, Pedro Pereira, Francisco Destino, Edgar Mouco, Hélio Pascoal, Manuel Sicó, André Palma, João Dias, Diogo Simões, Tiago Felício, Frederico Cabrita e Eduardo Vilela
- Futebol Clube Barreirense, Campeão Nacional de Iniciados Masculinos. Jogadores: Jorge Mendes, Tomás Dziedicz, Henrique Sicó, Tiago Viegas, Francisco Costa, Tiago Mealha, João Fernandes, João Dias, Daniel Coelho, Arnaldo Tungumuna, Emanuel Gomes, Manuel Ferreira, Fernando Pires, Hélder Oliveira, João Alves, João Mendes, Edgar Navalho e Daniel Margarido

Duatlo, Triatlo e Aquatlo
- B'Lândia – Associação de Formação Desportiva, Vencedora do Circuito Nacional Jovem por Equipas 2005. Equipa: Pedro Agapito, Miguel Silva, Manuel Santos, Ruben Pires, João Xavier, Paulo Almeida, João Castro, Nuno Ferreira, Henrique Costa, Pedro Costa, Renato Cardoso, Manuel Silveira, Neuza Mendes, Paulo Barreto, Luís Agapito, Gonçalo Pitarma, Sónia Amaral, Adriana Ministro, Rafael Guerreiro, Inês Pereira, José Virtuoso, Sérgio Mendes, Susana Sabino, Rita Sabino, Ricardo Gomes Santos, Tiago Fernandes, Pedro Rodrigues, Gustavo Santos, Edi Damas, Joana Oliveira, Patrícia Tibério, Tomás Santos, Francisco Pereira, Daniel Silva, Filipe Barreto, Nuno Ruas, Helena Aguiar, Tiago Lebrinhas, Rui Lebrinhas, António Rocha, Nuno Jorge, Rui Branco, Mauro Malícia, André Covas e Gonçalo Silva

Ginástica Aeróbica Desportiva
- Instituto de Ginástica Moderna - Super Pula Gym, Campeão Nacional da 2ª Divisão por Equipas, com o grupo Maria Cruz/Luís Pimenta/Sara Luna/Rita Lopes/Daniela Rodrigues
- Instituto de Ginástica Moderna - Super Pula Gym, Campeão Nacional da 2ª Divisão com o Par Misto Maria Rodrigues/Luís Pimenta
- Maria Rodrigues, do Instituto de Ginástica Moderna - Super Pula Gym, Campeã Nacional da 2ª Divisão Individual Feminino

Hip Hop
- CATICA - Centro de Apoio à 3ª Idade de Coina e Arredores –, Campeão Nacional de Juniores - Madonna Grimes Championships – Equipa MG Boos. Equipa: Dário Caetano, Luís Paulo, Ana Lúcia, Joana Grilo, Jessy Pinto, Cátia Pita, Ana Laura, Daniela Severino, Adriana Condeça e André Silva

Hóquei em Patins
- Ricardo Damião, Campeão Nacional de Juvenis pelo Sport Lisboa e Benfica

Karaté
- Ana Inês Paninho, da Sociedade Filarmónica Agrícola Lavradiense, Campeã Nacional Júnior +60 Kg
- Dinarte Manuel Andrade Santos, do Clube Dramático Instrução e Recreio 31 de Janeiro “Os Celtas”, Campeão Nacional Juvenil Karaté Kumite -65 Kg
- Pedro Fernandes Pinto, do Clube Dramático Instrução e Recreio 31 de Janeiro “Os Celtas”, Campeão Nacional Juvenil -55 Kg

Karting
- Telmo Rebelo, da União Recreativa de Cultura e Desporto de Coina, Campeão 2005 do Troféu KIP - Kartódromo Internacional de Palmela/Vitória Futebol Clube

Kickboxing
- Bruno Torres, do Instituto de Ginástica Moderna - Super Pula Gym, Campeão Nacional Neo-Profissionais Low Kick
- Marcelo Pinheiro, do Futebol Clube Quinta da Lomba, Campeão Nacional em Full-Contact -71kg

Patinagem de Velocidade
- B'Lândia – Associação de Formação Desportiva, Campeã Nacional Indoor Infantis B Femininos, com a equipa Neuza Mendes/Patrícia Tibério
- B'Lândia, Campeã Nacional Indoor Infantis B Masculinos, com a equipa Daniel Silva/Gonçalo Silva/Filipe Barreto/Francisco Pereira
- B'Lândia, Campeã Nacional Estrada Infantis B Femininos, com a equipa Ana Lúcia/Joana Vaz/Neuza Mendes
- B'Lândia, Campeã Nacional de Pista Infantis B Femininos, com a equipa Joana Oliveira/Ana Lúcia/Neuza Mendes
- Neuza Mendes, da B'Lândia, Campeã Nacional Indoor e Estrada Infantis B Femininos
- Daniel Silva, da B'Lândia, Campeão Nacional de Estrada em 500 metros Infantis B Masculinos
- Manuel Silveira, da B'Lândia, Campeão Nacional de Estrada em 200 metros Iniciados Masculinos
- Pedro Costa, da B'Lândia, Campeão Nacional de Estrada em 3000, 1000 e 500 metros e Absoluto Iniciados Masculinos

Remo
- Grupo Desportivo Ferroviários do Barreiro, Campeão Nacional de Double-Scull Júnior Feminino, com a equipa Marisa Silva/Teresa Gomes
- Grupo Desportivo Ferroviários do Barreiro, Campeão Nacional de Velocidade em Double-Scull, em 2005, com a equipa Paulo Pereira/Sérgio Barreiros
- Clube Naval Barreirense, Campeão Nacional Juvenil em Double-Scull em 2005, com a equipa Teresa Gomes/Diana Almeida
- Carlos Oliveira ("Bóia"), do Grupo Desportivo dos Ferroviários do Barreiro, Campeão Nacional de Veteranos
- Diana Almeida, do Clube Naval Barreirense, 1º Lugar em Shell 8 em representação da Selecção Nacional, na Regata Internacional de Bordéus

Tiro
- Grupo Desportivo e Recreativo “Unidos da Recosta”, Campeão Nacional de Juniores em Carabina de Precisão e Campeão Nacional de Juniores em Carabina de Recreio a Ar Comprimido, com a equipa Júlio Galvão/Bruno Bravo/Gerson Silva/Igor Pestana/Ciro Silva
- Júlio Galvão, do Grupo Desportivo e Recreativo “Unidos da Recosta”, Campeão Nacional Júnior de Carabina de Bala a 50 metros nas disciplinas de CD Match Inglês e Carabina de 3 Posições, e Campeão Nacional de Carabina de Recreio a Ar Comprimido.
- José Galvão, do Grupo Desportivo e Recreativo “Unidos da Recosta”, Campeão Nacional Veterano em Carabina de Precisão a Ar Comprimido e Carabina de Bala a 3 Posições a 50 metros
- Isabel Duarte, do Grupo Desportivo e Recreativo “Unidos da Recosta”, Campeã Nacional de Senhoras Sénior de Carabina de Recreio a Ar Comprimido a 10 metros

Vela
- Clube de Vela do Barreiro, Campeão Nacional Absoluto na Classe 420 com a equipa João Duarte/Luís Niza

Xadrez
- B'Lândia – Associação de Formação Desportiva, Campeã Nacional Escolar Sub 12 com a equipa Edi Damas/Sérgio Mendes/Manuel Silveira/Henrique Costa
- B'Lândia, Campeã Nacional Escolar 1º Ciclo em Semi-Rápidas, com a equipa Edi Damas/Pedro Rodrigues/Tomás Santos/Sérgio Mendes
- B'Lândia, Campeã Nacional Escolar 2º Ciclo em Semi-Rápidas com a equipa Luís Agapito/Manuel Silveira/Henrique Costa/Alex Barreto
- B'Lândia, Campeã Nacional Escolar 3º Ciclo em Semi-Rápidas, com a equipa Pedro Agapito/Manuel Santos/Mauro Malícia/Nuno Ferreira
- Francisco Delgado Pereira, da B'Lândia, Campeão Nacional Escolar Sub 8
- Edi Wilson Damas, da B'Lândia, Campeão Nacional Escolar Sub 10
- João Pedro Meira, do Futebol Clube Barreirense, Campeão Nacional Sub 10 em Semi-Rápidas

- Miguel Silva, do Grupo Desportivo Recreativo e Cultural do Bonfim, Campeão Nacional Sub 14 em Semi-Rápidas

- Ricardo Sousa, do Santoantoniense FC e Escola Secundária de Santo António, Campeão Nacional Escolar do 3º Ciclo e Secundário

Várias modalidades
- Grupo Desportivo dos Ferroviários do Barreiro, Campeão Absoluto a Nível Nacional de todos os Grupos Desportivos Ferroviários

Galardão “Barreiro Reconhecido”
Barreiro Reconhecido na área da Resistência Anti-Fascista
- Albertina Marques Teixeira
Biografia
Nasceu em Riachos, no distrito de Santarém, em Setembro de 34. Vem para o Barreiro com apenas um ano de idade e esta será, para sempre, a sua terra do coração. Albertina Marques Teixeira cresceu no seio de uma família, numerosa e operária, que na CUF encontrou um meio de subsistência. Contudo, a perspicácia que havia de nortear toda a sua vida, também a faz entender que, na Companhia União Fabril, a repressão e as desigualdades tinham que ser combatidas. É na zona têxtil que conhece uma amiga que a leva, com 22 anos, para o Partido Comunista Português. “Foi uma opção de vida” diz com alegria na voz, “as dificuldades eram muitas mas nós tínhamos uma força tão grande que nunca pensámos em desistir. Pelo contrário!”.
Corria o ano de mil nove e cinquenta e sete quando foi detida e levada para Caxias durante 2 dias. “Certamente que foi denúncia” afirma hoje ao lembrar o susto que a mãe ‘coitadinha’ apanhou, “mas nada me fazia abandonar a luta”. Ainda na CUF alargou os seus contactos e começou a distribuir o Avante, num formato muito pequenino, tantas e tantas vezes disfarçado dentro de um cabazinho de flores. “Cheguei a transportar o Avante, o Militante e o Corticeiro e outros tantos pacotes com maiores quantidades mas nunca fui descoberta.”. Recolher assinaturas era outras das tarefas que desempenhava de forma expedita mas… de vez em quando…, lá era chamada à ‘António Maria Cardoso’ para interrogatório.
“Era só entrada por saída”, confessa, “nunca pegaram em nada”.
A sua casa foi, inúmeras vezes, palco de reuniões dos camaradas que viviam na clandestinidade. Albertina Marques Teixeira possuía uma grande perspicácia e astúcia na defesa das casas, e nunca houve problemas com a entrada e saída dos seus camaradas. “Era uma tarefa tão perigosa quanto apaixonante”. Quando pressentia problemas, levava os materiais do partido para a quinta da mãe que, cuidadosamente, os enterrava na capoeira das galinhas até voltar a ser segura a sua circulação.
Em 1964, deixa para trás o Barreiro, terra de gente operária, firme e lutadora e entra na clandestinidade. Aqui, a Tina (como carinhosamente ainda hoje é conhecida por todos), assume muitas vidas e igual número de pseudónimos. Ao longo dos anos foi Margarida, Ana, Rosa e Paula. “Sentíamos uma responsabilidade tão grande e o nosso amor à causa era tanto que rapidamente assimilávamos os nossos papéis na sociedade.” Mudou de vida, mudou de casa e, por algumas vezes, teve que deixar para trás a família, mas manteve-se firme a um ideal que iria ver concretizado em Abril de 74. “Lutámos muito. Queríamos derrubar o fascismo e devolver a Liberdade ao nosso país.”
Curiosamente, não viveu o 25 de Abril nas ruas como tantas outras pessoas. Na altura estava no Porto e não era seguro abandonar a casa do Partido. “Assisti a tudo da janela, as lágrimas caíam-me, sabia que a minha filha estava no Porto mas não podia vê-la”. Regressa ao Barreiro, só em Maio, com uma irmã que também vivia na clandestinidade, e vai ao encontro do seu companheiro de então, Fernando Blanqui Teixeira que, entretanto, havia ajudado a fundar o primeiro centro de trabalho do pais, do Partido Comunista Português, na Rua Eusébio Leão. Aí, assume tarefas de responsabilidade nos Fundos do Partido. Posteriormente, já na Rua Vasco da Gama, integra a Comissão Concelhia do PCP uma vez mais com responsabilidades na área dos Fundos e com tarefas na Comissão de Freguesia de dirigir os Bairros 5 e 6. Depois de construído o Centro Concelhio do PCP integrou a Comissão de Fundos com responsabilidades na área da Tesouraria.
Aos 71 anos, Albertina Marques Teixeira integra a Comissão de Tesouraria com muitos outros camaradas que são a sua família e desempenha, com a mesma satisfação de sempre, as tarefas de militante do seu partido.
“Até que me sinta útil é por aqui que vou ficar”, confessa, com uma modéstia, simplicidade e honestidade comoventes quando, vindos de alguém, que de tudo abdicou, em prol da Liberdade de um Povo.
“Sinto que, à minha maneira, contribui para construir um mundo melhor. Estou contente com a vida que escolhi e com as opções que fiz!”.
Hoje, o Barreiro agradece-lhe!  

Por um percurso de dedicação e combate, Albertina Marques Teixeira recebe da Câmara Municipal do Barreiro o Galardão Barreiro Reconhecido na Área da Resistência Antifascista.

Barreiro Reconhecido na área do Desporto
- José Francisco da Costa
Biografia
Nasceu em 18 Dezembro 1937, em Silves. Ao longo da vida foi subindo na geografia de Portugal, estando, hoje, radicado no Porto.
Para o Barreiro veio muito novo. Foi no Barreiro que cresceu e onde fez a sua formação escolar e social. Aqui passou toda a adolescência e parte da idade adulta. Considera-se um barreirense. É aqui a “sua terra”
É Professor de educação física e técnico desportivo, tendo-se aposentado há poucos anos.
Foi praticante de basquetebol no Luso Futebol Clube e no Centro Desportivo e Universitário de Lisboa. As posições no campo, no seu tempo, tinham outros nomes. Mas hoje poder-se-ia considerar um “base”, o organizador do jogo da equipa. Simultaneamente, dedicou-se à ginástica, no Futebol Clube Barreirense.
Terminada a carreira de atleta, dedicou-se à de técnico desportivo. Foi treinador de basquetebol no Luso Futebol Clube – onde iniciou a carreira –, no final dos anos 50. No Luso passou pelos vários escalões de formação até aos seniores.
Ingressou no Grupo Desportivo da CUF – hoje o Grupo Desportivo Fabril, onde permaneceu durante toda a década de 60. Nesta altura, ainda foi preparador físico de futebol do clube.
O seu nome está indelevelmente associado aos Jogos Juvenis do Barreiro e ao programa “Iniciação Desportiva”, do Grupo Desportivo da CUF.
Foi um dos três criadores dos Jogos Juvenis do Barreiro, a par de Augusto Valegas e Manuel Roque Saúde. “A ideia surgiu de uma conversa informal”, explicou. Trabalhou no primeiro ano de lançamento da iniciativa mas a vida não permitiu dar continuidade à sua colaboração. Partiria para o Porto.
A animação dos Jogos Juvenis do Barreiro “foi qualquer coisa que nem nós, inicialmente, pensávamos pudesse vir a ter”, reconhece. O sucesso da organização foi total, desde o início. Era um tempo em que não havia televisões, enfim, um certo número de coisas que despertassem o interesse da juventude”. “E a prática desportiva era muito apelativa, sobretudo no Barreiro”. Mas “foi bastante trabalhoso o lançamento”, admite.
Pelo programa “Iniciação Desportiva”, que promoveu durante dez anos, passaram milhares de crianças. As actividades lá desenvolvidas iam desde as práticas desportivas de campo até ao xadrez. Em cada ano havia uma média de 150 a 200 crianças. Era, na sua opinião, uma actividade social extraordinariamente importante. A “Iniciação Desportiva” era frequentada por crianças oriundas de sectores sociais mais desfavorecidos.
Quando rumou ao Norte, prosseguiu a sua carreira de treinador de basquetebol. Orientou as equipas seniores do Centro Desportivo e Universitário do Porto, do Futebol Clube do Porto e da Associação Desportiva Ovarense. Encerrou a carreira de técnico regressando ao CDUP.
Foi, ainda, Seleccionador de Regional das associações de Basquetebol de Setúbal e do Porto.
E títulos?: “Naquele tempo a gente nem ligava. Eram participações modestas”.
Gratificante considera os louvores que recebeu ao longo da vida como reconhecimento da carreira: “As pessoas foram simpáticas para comigo na minha vida”. É Sócio de Mérito das associações de Basquetebol de Setúbal e do Porto. Recebeu um Louvor da Federação Portuguesa de Basquetebol, da Associação de Basquetebol do Porto e da Comissão de Árbitros do Porto. Recebeu, ainda, uma Menção Honrosa da Comissão de Árbitros de Setúbal. E foi galardoado com o Prémio “Prestígio e Consagração” na 3ª Gala da Federação Portuguesa de Basquetebol, em 1996.
No Barreiro, participou, em 63, como prelector na primeira de muitas acções de formação e cursos de treinadores de basquetebol em que estaria envolvido.
Ainda nos anos 60, iniciou a carreira de Professor de Educação Física, no Externato D. Manuel de Mello. Durante a década de 60 viria a passar pelo Colégio Barreirense e pela Escola Preparatória Álvaro Velho.
Nos últimos anos deu aulas na Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física, da Universidade do Porto. Leccionou várias disciplinas de áreas ligadas ao Basquetebol, Treino Desportivo, Desporto Escolar e Avaliação.
Pessoalmente, o que mais o marca são as relações sociais e humanas que manteve toda a sua vida, por todos os lados por onde passou. As relações entre os diversos agentes desportivos, ao longo de todos tempos, constituem um núcleo de filiações muito forte na sua vida. Estes valores cultivou-os ao longo da vida, formando jovens personalidades com uma visão pedagógica.

Pelo seu elevado valor profissional, técnico, social, pedagógico e académico, a Câmara Municipal do Barreiro tem a honra de atribuir a José Francisco Costa o Galardão “Barreiro Reconhecido”, na área do Desporto.

Barreiro Reconhecido na área da Cultura, Artes e Letras
- Comissariado da Ilustrarte
Biografia
A ILUSTRARTE, Bienal Internacional de Ilustração para a Infância, é um Projecto cultural iniciado em 2003, numa parceria entre a autarquia do Barreiro e a associação VerPra Ler e comissariada por Jú Godinho e Eduardo Filipe.
 A ideia de colocar o Barreiro na rota do mundo da ilustração para a infância  começou por uma paixão. Como assumem os Comissários da Ilustrarte, “uma paixão feita de olhar, de contemplar e da necessidade, quase compulsiva, de ver sempre mais e melhores imagens”.
Jú Godinho é Professora de Química na Escola Secundária Gil Vicente. Eduardo Filipe, licenciado e doutorado também em Química, é Professor no Instituto Superior Técnico. Ambos nasceram no Barreiro e frequentaram a Escola Mendonça Furtado e a Escola Alfredo da Silva. Apaixonados pela sua terra e pela ilustração para a infância, começaram por constituir uma colecção particular de originais de alguns dos mais famosos ilustradores portugueses e estrangeiros.
De dois em dois anos, coordenam o Prémio Ilustrarte, celebrando a arte da Ilustração para a Infância, dando a conhecer novos autores e distinguindo os melhores trabalhos, apurados por um júri internacional que inclui os melhores nomes da ilustração mundial. Com este evento, o Barreiro pretende seguir os passos de Bolonha e Bratislava, capitais consagradas nesta área.
O sonho apaixonado tornou-se uma realidade de sucesso. Primeiro, foram as muitas viagens, o encontro com os livros, o contacto com os originais, a descoberta dos autores. Daí até à Ilustrarte foi um passo. A primeira edição, em 2003, teve 500 participantes de 30 países. A segunda edição, em 2005, conquistou o dobro da participação, 1000 ilustradores de 50 países. Do Japão à América do Sul, a Bienal  Ilustrarte torna-se, assim, rapidamente, uma das grandes manifestações da Ilustração para a Infância, a nível mundial.
Num âmbito paralelo e complementar ao Projecto Ilustrarte, Jú Godinho e Eduardo Filipe têm coordenado, no Barreiro, o lançamento de diversas obras e exposições de originais de autores de renome internacional. Um ciclo regular de exposições, que tem decorrido no Auditório Augusto Cabrita, e agora intitulado “A Arte na Página”, é uma oportunidade para reunir ilustradores, editores, coleccionadores e leitores de todas as idades. Momentos mágicos onde a cor e um olhar sempre renovado sobre o mundo se impõem a cada ilustração.
Pela qualidade do trabalho desenvolvido na divulgação da Ilustração para a Infância, pela excelência do Projecto que coordenam, pela enorme paixão, pelo dinamismo e pela vontade concretizada de projectar o Barreiro no país e no mundo, a Câmara Municipal tem a honra de atribuir a Jú Godinho e Eduardo Filipe, Comissários da Ilustrarte, o Galardão Barreiro Reconhecido, na área Cultura, Artes e Letras.

Barreiro Reconhecido na área do Trabalho
- Lenine Rodrigues
Biografia
Nasceu em frente ao Rio, em 1944 no Barreiro Velho, mesmo em frente às antigas instalações dos Bombeiros da Salvação Pública. A casa ainda lá está.

Aprendeu as primeiras letras no Colégio Barreirense e completou a 4ª classe na Verderena. Logo depois, começou a trabalhar como aprendiz de carpinteiro.

Aos 14 anos, foi para França, onde viveu até 1976, sempre com o Barreiro no coração.

Em solo gaulês voltou a estudar. Fez um curso na Escola ABC de Paris e frequentou a Escola de Belas Artes, durante 3 anos. Entretanto, aprendeu o ofício de torneiro mecânico. Andou pelo mundo a exercê-la. Chegou à Argélia, mas acabou por regressar a Portugal. Já no Barreiro, tornou-se serralheiro. Por onde passou, nunca deixou de fazer “as suas coisas, os desenhos, as pinturas”, mas “guardava tudo”.
Um dia, ainda nos anos 70, deu uma entrevista ao Jornal do Barreiro, que marcou o início da sua revelação.
Um problema de saúde, obrigou-o, nessa altura, a largar a serralharia e o torno. Foi aí que se dedicou “verdadeiramente, a 100 por cento”, ao seu sonho. Ao modelismo e, progressivamente, a outras artes, como a pintura, a escultura, os modelos em prata, a ourivesaria, a gravação em básculas de espingardas, enfim tudo o que fizesse uso do seu virtuosismo manual e da sua imaginação.
Fez as primeiras miniaturas de barcos, quando ainda andava na escola, era muito miúdo”. A “número um” foi feita em cascalheira, a parte exterior do pinheiro bravo.
Os barcos, em miniatura, fá-los ao detalhe por fora e por dentro. Por dentro? Perguntam-lhe “porquê”, se alguns pontos não se vêem depois da peça concluída. “Mas vejo eu”, responde. Aumentados à escala humana, estas embarcações navegariam, assegura. São feitas em rigor, de acordo com todas as leis. Tudo, diz, é real, mesmo o que não se vê. O facto de ser “teimoso” assumido talvez seja a razão de ser de tanta minúcia.
Conhece todas as embarcações. Basta-lhe “olhar” para elas. Conhece, igualmente, todas as peças que as compõem e conhece-lhes quase todos os nomes.
Do Museu de Almada vieram as primeiras encomendas. Participou em exposições e, depois disso, os pedidos sucederam-se. Hoje tem peças suas em colecções particulares e até na posse do Rei Juan Carlos, de Espanha.
Em 1991 expôs, na Torre de Belém, 25 modelos da caravela “Bartolomeu Dias”, oferecidas, entretanto, a clientes do Transitário Arnault, espalhados pelo mundo. Em Espanha, exibiu, em 94, um corte de uma nau quinhentista, a pedido da Comissão dos Descobrimentos, para assinalar o Tratado de Tordesilhas. A peça percorreu a Europa até ficar instalada no Museu Militar, em Lisboa. Em 98, respondendo a um desafio da Torres Joalheiros, em Lisboa, apresentou uma colecção de 13 miniaturas de prata de barcos do Tejo, exposta no Centro Comercial Colombo. Um livro alusivo à iniciativa publicou as imagens repletas de preciosismo.
 Um marco na sua carreira foi, ainda, o 1º prémio da Academia de Marinha que obteve, em 2002, com uma fragata do Tejo, que exibiu na exposição “O Mar e Motivos Marítimos”. Do seu currículo constam, também, diversas participações em exposições de pintura.
Não sabe bem o que o inspirou e inspira. Mas vai dizendo que nasceu em frente ao Rio... Dizem-lhe que a sua habilidade faz lembrar um avô paterno, que era um artista com a madeira. Um modelo seu demora, no mínimo, 2 meses a tomar forma. Mas pode demorar ano e meio. O valor também, varia. Pode ascender a milhares de euros, mas para o colocar noutras mãos “tem que estar mesmo bom”.
É, neste momento, “patrão e empregado”. Umas vezes impõe-se o chefe, outras, prevalece o funcionário! Não tem horário de trabalho. Chega a estar 12 horas por dia às voltas com uma peça. Não raras vezes, tem vários trabalhos a decorrer simultaneamente.
O seu gosto por este ofício é inegável. Só lamenta sentir, por vezes, alguma falta de apoio e estímulo para a produção da arte e do artesanato.

Pela destreza manual, pela habilidade, pelo virtuosismo, pela “teimosia” no detalhe e pelo seu amor pela Terra que o viu nascer, a Câmara Municipal do Barreiro tem a honra de atribuir a Lenine Rodrigues o Galardão “Barreiro Reconhecido”, na área do Trabalho.

Barreiro Reconhecido na área da Empresa
- Metalba
Biografia
A METALBA, constituída em 1971, desenvolve a sua actividade na Vila Chã, freguesia de Santo António da Charneca, assumindo-se como um exemplo de sucesso na área da Metalomecânica, dedicando-se, neste momento, em exclusivo à fabricação de pavimentos metálicos.
José Pina é o rosto discreto de um património empresarial que foi sendo construído a pulso, sempre ultrapassando as diversas fases do seu percurso e os momentos menos bons, com rigor, coragem e honestidade.
As origens desta empresa estão associadas a uma oficina que começou a funcionar em 1968, para execução de pequenos trabalhos, servindo de ocupação dos tempos livre a José Pina e a dois outros companheiros da altura, Gonçalves e Silva.
Tudo começou com uma máquina de soldar, uma rebarbadora e pouco mais. A empresa cresceu muito rapidamente, em pouco tempo e o espaço foi-se alargando”- recorda, emocionado, o homem que, hoje, com 68 anos, continua a dedicar os dias inteiros a este seu projecto de vida, que deseja ver continuado pelos filhos e pelos netos.
O segredo do sucesso e da credibilidade da empresa, ainda de acordo com o seu administrador, assenta na preocupação constante com a satisfação do cliente, numa avaliação constante e num rigoroso controlo financeiro.
Ao longo dos seus 35 anos de existência, passaram pela Metalba cerca de dois mil trabalhadores. Hoje, garantindo cerca de 50 postos de trabalho, a empresa orgulha-se de contribuir para o desenvolvimento do país. No passado, a Metalba dedicou-se à área da construção naval mas a grande aposta é, actualmente, na fabricação de piso em ferro e inox de elevada qualidade, que é utilizado em todo o país e exportado para todo o mundo, nomeadamente para países como a Espanha, a Rússia, a Inglaterra ou a China.
Os objectivos desta empresa barreirense passam pelo constante aperfeiçoamento da maquinaria existente, por continuar a criar modelos exclusivos e reforçar a aposta na assistência ao cliente e na modernização para conseguir atingir maior qualidade e rapidez de produção.

Pelo papel importante que desempenha no contexto local, mas também a nível nacional e internacional, na sua área de especialização, pelo seu percurso, pelo seu dinamismo empresarial e pelo exemplo de qualidade que representa, a Câmara Municipal tem a honra de atribuir o Galardão Barreiro Reconhecido, na área Empresa, à METALBA.

Barreiro Reconhecido na área do Associativismo
- António Sousa Pereira
Biografia
Natural de Vila Real de Santo António, onde nasceu em 15 de Julho de 1952, António de Jesus Sousa Pereira tem a sua primeira experiência associativa, em Lisboa, aos 16 anos, como fundador do grupo de escuteiros da Graça. Desses tempos iria recordar para sempre a ‘máxima’ de Baden Powell «procura deixar o mundo um pouco melhor do que o encontraste». Desde então, esse tem sido um objectivo de vida, no qual o associativismo surge, com toda a naturalidade.
Chega ao Barreiro em 1972 e integra-se, de imediato, na Comissão dos Jogos Juvenis do Barreiro. “Para mim, o associativismo foi sempre uma forma de intervenção cívica, uma forma de agir, de intervir e de resistir”.
Foi através do associativismo que se integrou no Barreiro. Começou a frequentar a SFAL – Sociedade Filarmónica Agrícola Lavradiense, e a namorar aquela que viria a ser a sua companheira de sempre. “A SFAL foi a porta que se abriu para a minha integração nesta terra.” Talvez por isso, a história da sua vida esteja tão estreitamente relacionada com a história desta colectividade. Começou por fazer parte da sua Comissão Cultural para, em 1978/79, integrar a Mesa da Assembleia-geral, como secretário. Durante 13 anos, foi o Presidente da Assembleia-geral desta Sociedade Filarmónica cargo que acumulou, a partir de 1984/85 com o de Presidente da Direcção da Cooperativa Pioneiros do Lavradio. Viviam-se anos difíceis e a cooperativa estava numa situação de falência económica. Assumindo que pouco ou nada sabia sobre cooperativas, Sousa Pereira reuniu-se de vontades e saberes, locais e regionais, e todos juntos, ajudaram a criar uma nova loja, aquela que ainda hoje existe no Lavradio, na Rua Egas Moniz. Na luta pela sobrevivência das cooperativas face à concorrência das grandes superfícies surge a NeoCoop que ajudou a fundar e que era o resultado da união das cooperativas do Lavradio, Baixa da Banheira, Alhos Vedros e Moita. A este movimento regional sucedeu-se um outro, mais distrital onde se associaram as cooperativas de Setúbal, de Lisboa, de Palmela, de Grândola e da Cova da Piedade. Assim surgiu a Pluricoop, hoje a maior cooperativa portuguesa de consumo, onde exerceu, durante anos, funções de vice-presidente da Direcção. Sem falsas modéstias assume ter feito parte de um processo decisivo na vida destas cooperativas.
Nos anos que se seguiram, integrou a Fenacoop – Federação Nacional das Cooperativas de Consumo, a Confecoop – Confederação das Cooperativas; o Comité Europeu da Defesa dos Consumidores em Bruxelas; fez parte da delegação portuguesa que, em Manchester, comemorou os 150 anos das cooperativas e o centenário da Aliança Cooperativa Internacional, para além de ter representado as cooperativas no Conselho de Opinião da RTP e RDP durante 8 anos, integrando igualmente, o Conselho Económico e Social pelas Cooperativas. Na Federação das Colectividades de Cultura e Recreio integrou o grupo de estudos do Associativismo.
Apesar de já não ser dirigente cooperativo foi convidado para fazer parte do Conselho Nacional de Consumo como representante das Cooperativas e não conseguiu recusar o cargo de editor da revista Ecoop.
Foram muitos anos, quase 20, de uma experiência de vida muito rica mas confessa que não tinha tempo para mais nada. Depois de 13 anos consecutivos como presidente da Assembleia-geral da SFAL, Sousa Pereira exerceu o cargo de Presidente da Direcção por mais 12 anos, apenas com 2 anos de intervalo. Para trás ficaram Cargos como vice-presidente da direcção do Futebol Clube Barreirense, Presidente da Assembleia-geral da Santa Casa da Misericórdia do Barreiro, e Presidente da Assembleia-geral do Sporting Clube Lavradiense,
Hoje faz parte do Conselho Fiscal da colectividade (já vai para 2 anos), e é director do jornal ‘O Cachaporreiro’.  E tal como sempre defendeu - o dirigente deve cultivar e preparar o terreno para que as coisas tenham continuidade – acompanha orgulhosamente ‘ de fora’ o funcionamento da ‘sua’ colectividade. Já editou um livro com dezenas de intervenções que foi compilando ao longo dos anos e tem um blog intitulado «Fazer Associativismo» onde continua a lançar reptos e a renovar dinâmicas. O Associativismo é uma escola de vida e é lá que quer ficar por muitos e bons anos. “É ali o meu espaço de cidadania, é ali o local onde ponho em prática a frase que aprendi quando pequeno «procura deixar o mundo um pouco melhor do que o encontraste».

Por um percurso de entrega ao mundo associativo feito de criatividade e solidariedade humana, a Câmara Municipal do Barreiro distingue António Sousa Pereira com o Galardão Barreiro Reconhecido na Área do Associativismo