VOLTAR

favela100x60_small.jpg favela100x602_small.jpg urbano_small.jpg      
 
           
     
           
 
A arte (como tudo o mais na vida) não existe fora da memória: ela prolonga e desvela um olhar que é informado por história, ambiência, anseio. Tomemos, aliás, o caso de Ferreira da Luz. Há na sua pintura o reflexo largo e generoso de uma condição universal, exposta na sua globalidade cibernética como código de acesso àquilo a que poderíamos chamar «o todo»; e cada quadro é, aqui, uma password para um «portal» cósmico em que podemos navegar sem necessidade de intérprete. Mas há também, na já vasta obra de Ferreira da Luz, marcas do seu tempo e do seu espaço. O traço minucioso dos flagrantes pequenos, breves, íntimos. O vento e o sono, o grotesco e o afecto, a leveza de um céu de verão, um sorriso captado como numa fotografia, no breve instante de um pestanejar. Por isso digo: a arte, tendo uma dimensão cósmica, é também carne e osso, dias e minutos, espaços, vozes e silêncio. E é essa totalidade que comove em Ferreira da Luz.
 
           
       
JORGE MORAISĀ  Escritor
 
         
           
 
verdade60x80_small.jpg urbano2_small.jpg cabeca85x60_small.jpg
batalha50x70_small.jpg global01100x100_small.jpg global02100x100_small.jpg
telebruto120x90_small.jpg global03120x150_small.jpg drama60x60_small.jpg
drama2_60x60_small.jpg global50x50_small.jpg global50x502_small.jpg
 
global50x503_small.jpg letra60x80_small.jpg islam2105x94_small.jpg