Viver no Barreiro é percorrer o estuário dos rios Tejo e Coina por entre azúis de água e céu e terras de gente que tem na existência um peculiar carinho pela vida solidária.

Alburrica

Entre os ossos do matadouro, uma mãe com sete filhos “habitava” uma barraca
em Alburrica na década de 70 do Séc.XX

  • A aproximação revela os caixotes cheios de ossos. A casa em alvenaria à direita, existe ainda nos dias de hoje
    A aproximação revela os caixotes cheios de ossos. A casa em alvenaria à direita, existe ainda nos dias de hoje
  • Os sete irmãos.
    Os sete irmãos.
  • Só o sonho é possível...
    Só o sonho é possível...
  • "Brinquedos” peculiares...
    'Brinquedos' peculiares...
  • Um pequeno pastor de nada...
    Um pequeno pastor de nada...
  • Toma lá um sorriso... apesar de...
    Toma lá um sorriso... apesar de...
  • Nascidos em “gaiola social”
    Nascidos em “gaiola social”
  • Sempre com “brinquedos” à mão...
    Sempre com “brinquedos” à mão...
  • A tristeza “escondida” num sorriso efémero...
    A tristeza “escondida” num sorriso efémero...
  • À porta de “casa”.
    À porta de “casa”.
  • Contando pedrinhas.
    Contando pedrinhas.
  • “O meu bebé” é o mais lindo...
    “O meu bebé” é o mais lindo...
  • Senhora de Alburrica, mãe de sete filhos.
    Senhora de Alburrica, mãe de sete filhos.